Informação à imprensa

FNAM opõe-se à precarização do trabalho médico, defendendo um Internato Médico de qualidade

Enviar por E-mail PDF

2018.01.18

No dia 18 de Janeiro, terá lugar na Assembleia da República a discussão de uma petição contra a precarização e a criação de médicos sem especialidade, que conta com 4138 assinaturas, incluindo as de vários dirigentes sindicais da FNAM.
A FNAM manifesta o seu apoio e solidariedade para com esta iniciativa, reafirmando que o Internato Médico (IM) constitui a pedra basilar da Carreira Médica. No entanto, estamos a assistir a um retrocesso civilizacional ao constatar que as alterações legislativas do Internato Médico põem em causa a qualidade da formação da médica e, consequentemente, os cuidados de saúde prestados.

Continuar...
 

FNAM reúne com Ministério da Defesa

Enviar por E-mail PDF

2018.01.16

Decorreu hoje no Hospital das Forças Armadas, em Lisboa, a primeira reunião conjunta das duas organizações sindicais médicas com representantes do Ministério da Defesa, para iniciar a negociação de um Acordo de Empregador Público, que regulamentará as normas particulares de organização e disciplina do trabalho para os médicos civis que exercem funções e prestam cuidados de saúde aos militares e seus familiares.

A FNAM marcou presença através do seu representante Hugo Esteves, que referiu que a reunião decorreu de forma positiva, tendo sido estabelecidas as bases do protocolo negocial. Está já prevista para o fim de Janeiro, uma segunda reunião negocial.

Continuar...
 

A reforma dos cuidados de saúde primários está gravemente ameaçada! - Comunicado da FNAM

Enviar por E-mail PDF

2018.01.09

A Reforma dos Cuidados de Saúde Primários (CSP), cujos resultados positivos são inquestionáveis e reconhecidos pelos cidadãos e profissionais de saúde, está gravemente ameaçada.

Esses resultados foram e são um contributo fundamental para a sustentabilidade, qualidade, proximidade e eficiência do Serviço Nacional de Saúde e apesar disso, em vez do relançamento da Reforma dos CSP, estamos perante uma completa paralisia, em que não são criadas novas Unidades de Saúde Familiar (USF), em que não há evolução para USF de modelo B, em que crescem as carências e aumentam os obstáculos nas já existentes e em que cada vez mais se degradam as condições de trabalho, nas USF e sobretudo nas Unidades de Cuidados Saúde Personalizados (UCSP).
A paralisia na reforma dos CSP devida à inércia do Ministério da Saúde, tem conduzido à iniquidade e injustiça, quer para os cidadãos quer para os profissionais de saúde! A assimetria mantida de distribuição da reforma a nível nacional priva os cidadãos de melhor acesso e qualidade na saúde e tem gerado insatisfação profunda em todos os profissionais de saúde que não têm tido a possibilidade de obter as condições favoráveis que as USF modelo B exigem e permitem.
A situação actual é insustentável, é geradora de desajustamentos à boa prática clínica e de saúde, com grave prejuízo para os cuidados de saúde aos cidadãos e exaustão dos profissionais.

Continuar...
 

Tolerância zero à inércia e ineficiência do Ministério da Saúde

Enviar por E-mail PDF

2018.01.08

A total inércia do Ministério da Saúde perante as revindicações dos médicos é inaceitável e prova a ausência de interesse em parar com a degradação e desmantelamento do SNS. Os médicos, que sempre foram um parceiro importante na criação e manutenção de um SNS com qualidade, chegaram a um ponto de tolerância zero!

Após a greve muito expressiva, de 8 de Novembro, não houve qualquer indício de contraproposta negocial, limitando-se o Ministério da Saúde a persistir num mutismo incompreensível!
A Comissão Executiva da FNAM reunida a 5 de Janeiro reitera as exigências feitas em comunicado no dia 8 de Novembro de 2017 (anexo):

ANEXOS
Arquivo
DOWNLOAD_THIS_FILE_SComunicado
Continuar...
 

Tolerância zero à inércia e ineficiência do Ministério da Saúde

Enviar por E-mail PDF

2018.01.08

A total inércia do Ministério da Saúde perante as revindicações dos médicos é inaceitável e prova a ausência de interesse em parar com a degradação e desmantelamento do SNS. Os médicos, que sempre foram um parceiro importante na criação e manutenção de um SNS com qualidade, chegaram a um ponto de tolerância zero!

Após a greve muito expressiva, de 8 de Novembro, não houve qualquer indício de contraproposta negocial, limitando-se o Ministério da Saúde a persistir num mutismo incompreensível!
A Comissão Executiva da FNAM reunida a 5 de Janeiro reitera as exigências feitas em comunicado no dia 8 de Novembro de 2017 (anexo):

Continuar...
 
Pág. 1 de 10